Newsletter

CEEE, Sulgás e CRM precisam ser vendidas, defende secretária estadual em reunião na Fecomércio-RS

14 de junho de 2018

 

A venda da CEEE, Sulgás e CRM foi tema da reunião do Conselho de Economia da Fecomércio-RS. A convite do coordenador do Conselho, Leonardo Schreiner, a secretária estadual de Minas e Energia, Susana Kakuta, foi convidada a falar sobre a atual situação das empresas estatais.

Segundo explicou, a venda dessas três empresas foi prevista na lei aprovada com o plano de recuperação fiscal do Estado. “Essas instituições tem problemas sérios de gestão implantados. Eu assino os balanços e me sinto envergonhada por que nenhum dos negócios se sustenta”, declarou a secretária. Kakuta ainda questionou se esperamos um estado que se volte para a população, cuidando bem da saúde, educação, políticas sociais e segurança ou um estado que retira recursos das áreas essenciais para tapar os rombos de empresas estatais deficitárias.

Entre as razões para privatizar a Sulgás, o fato de que cresce muito lentamente, mesmo atuando em um mercado competitivo. Para atingir o patamar programado para 2030, precisaria de um investimento de R$ 1.8 bi, recurso que o Estado não possui. A empresa tem 137 funcionários com média salarial de R$ 6,5 mil.

No caso da CRM, as razões para a venda ocorrem por que a estatal atua em uma área onde a iniciativa privada tem desempenho muito superior, com menores custos e melhores tecnologias. São 411 funcionários com salários médios de R $ 5,9 mil. Tem um único cliente, que é a também pública CGTEE Eletrobras. “Não ampliou sua carteira de negócios e apresenta déficit financeiro estrutural”, mostrou Kakuta.

Já na CEEE são mais de 2.340 funcionários ativos, com salários médios de R$ 8.497. A CEEE atende 34% do mercado gaúcho. Para uma comparação, a RGE atende quase 70% do Estado com a metade dos funcionários e metade do salário médio da CEEE. Como agravante, a CEEE Distribuidora ano passado deu prejuízo de R$ 87 milhões. A empresa deve ao estado em ICMS de R$1 bi e a dívida consolidada é de R$ 4 bi.