Notícias

Líder e mestra do Samba de Pareia da Mussuca é destaque da 5ª Mostra Sonora Brasil Sesc

10 de agosto de 2018

A 5ª Mostra Sonora Brasil Sesc começa em Porto Alegre na próxima terça-feira (14/08) e segue até 18/08. Com o tema “Na Pisada dos Cocos”, a mostra apresenta um dos gêneros musicais mais importantes do Nordeste brasileiro. Uma das atrações da programação é a presença do conjunto Samba de Pareia da Mussuca (SE), que conta com um elemento de destaque: Dona Nadir, líder e mestra do conjunto, algo raro nos grupos de tradição, onde as funções de liderança normalmente cabem aos homens. Dona Nadir estará presente em uma roda de conversa ao lado de Adiel Luna (PE), grupo Três Marias (RS) e Richard Serraria (RS) no dia 16 (quinta-feira), a partir das 17h30, no Teatro Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665.) Já a apresentação do Samba de Pareia da Mussuca ocorrerá a partir das 19h. Ambas as atividades têm entrada franca.

O Samba de Pareia, segundo relatos, surgiu há mais de 300 anos entre os escravos que trabalhavam nos canaviais. Hoje, ele é dançado por mulheres e conta com a presença de homens apenas como tocadores que sustentam o ritmo com dois tambores médio-graves e uma porca (cuíca). Completa a instrumentação um ganzá, tocado por uma das mulheres, e, o principal elemento rítmico, a pisada dos tamancos das dançadeiras. O samba não se caracteriza como um folguedo, mas apresenta dança coreografada e trajes padronizados. As letras das músicas fazem alusão a situações do dia-a-dia, normalmente com muita irreverência. Mais informações estão disponíveis no site www.sesc-rs.com.br/sonorabrasil/.

Sobre o Sonora Brasil Sesc: Promovido pelo Sesc, já realizou 5.726 apresentações de 85 grupos, em mais de 150 cidades brasileiras, com um alcance de 600 mil espectadores. Em 2018 apresenta o tema ‘Na pisada dos cocos’ que circulará pelos estados do Centro-Oeste, Sul e Sudeste brasileiro. No Rio Grande do Sul, entre agosto e dezembro deste ano, quatro grupos realizarão cerca de 50 apresentações. Mais informações estão disponíveis no site www.sesc-rs.com.br/sonorabrasil

 

5ª Mostra Sonora Brasil – 2018 – Porto Alegre

 

Informações: www.sesc-rs.com.br/sonorabrasil

Entrada franca

 

14 de agosto (Terça-feira) 

Coco de Roda – Da Pisada Ao Verso

Adiel Luna (PE)

Horário: 10h

Local: Esquina Democrática

Sinopse: O espetáculo convida o público a fazer uma imersão na geografia do coco – uma das manifestações mais tradicionais e presentes do Nordeste brasileiro, e nas suas semelhanças e diferenças: coco de roda, coco pra são joão, coco mazurcado, coco de obrigação… O repertório conduz a uma viagem no tempo, mostrando a manifestação desde sua forma mais pura e encantadora – enquanto cantiga de trabalho – até como modalidade mais elaborada de rimas e métricas. Nesse contexto o artista brinca, improvisa e explora os toques, as pisadas e os versos.

Duração do espetáculo: 50min

 

Coco de Iguape (CE)

Horário: 19h

Local: Teatro Sesc Centro – Av. Alberto Bins, 665

Duração: 60 minutos

Classificação: Livre

Sinopse: O grupo é oriundo da Praia do Iguape, litoral cearense onde praticam a pesca artesanal e são liderados pelos mestres Raimundo da Costa, que desde os dez anos de idade pratica o coco de embolada e Chico Caçuêra. Segundo pesquisadores, o Coco do Iguape tem uma característica peculiar que é o andamento mais acelerado e uma dança mais “pulada”. A música mantém a estrutura de refrão fixo, apresentado pelo mestre e cantado pelos brincantes, e estrofes emboladas pelos mestres, algumas criadas no calor da brincadeira. A dança acontece em pares, um de cada vez no meio da roda, com trocas constantes marcadas pelo convite feito com o gesto da umbigada. Os instrumentos utilizados pelo grupo são o caixão (espécie de Cajon), ganzá e triângulo ( inserido a partir de influências externas).
O grupo é formado por Mestre Chico Caçoeira (Francisco Renato das Chagas), Klévia do Iguape (Klévia Cardoso da Silva), Renato Cabral, Wellington Monteiro, Gatinho (João Anastácio de Carvalho), Caboquim (José Ailton da Costa Miranda), Altamiro da Costa e Adonai Ribeiro.

 

15 de agosto (Quarta-feira) 

Coco de Roda – Da Pisada Ao Verso 

Adiel Luna (PE)

Horário: 10h

Local: AFASO – Rua A, 377 – Vila Nossa Senhora de Fátima *Atividade para público fechado.

Horário: 15h

 

Coco de Zambê (RN)

Horário: 19h

Local: Teatro Sesc Centro – Av. Alberto Bins, 665

Duração: 60 minutos

Classificação: Livre

Sinopse: É principalmente encontrado no município de Tibau do Sul, litoral do Rio Grande do Norte, segundo pesquisadores, chegou em 1903 aos engenhos de cana-de-açúcar e colônias pesqueiras da região através de africanos escravizados. Dois tambores estão presentes na maioria dos grupos que praticam o Coco de Zambê, também conhecido como pau furado ou oco de pau, que é maior e mais grave, e o Chama, ambos construídos artesanalmente com troncos de árvores da região. Além desses tambores outros instrumentos de percussão podem ser encontrados, inclusive a lata, usada pelo grupo. A música se caracteriza como um canto responsorial, puxado pelo mestre e respondido pelo coro de vozes, e a dança acontece numa roda que mantém ao centro os tocadores. Os brincantes se revezam reverenciando o tambor e realizando passos livres de grande energia que lembram movimentos da capoeira e do frevo. 
O grupo é formado por Didi (Djalma Cosme da Silva), Uzinho (Severino de Barros), Tonho (Antonio Cosme de Barros), Mestre Mião (Damião Cosme de Barros), Zé Cosme (José Cosme Neto), Kéké (Ckebesson da Silva), Pepé (Ederlan da Silva), Beto (José Humberto Filho de Oliveira).

 

16/08 (Quinta-feira) 

Exibição do filme “Caminhos do Coco”

De Joice Temple

Horário:  16h

Local: Teatro Sesc Centro – Av. Alberto Bins, 665

Sinopse: Uma das manifestações artísticas mais características da cultura nordestina é a música. Com os diversos ritmos que percorrem o litoral e o sertão, passando por quilombos e áreas rurais, essa expressão artística se apresenta ao mundo como parte da cultura popular nordestina, tão rica quanto variada. 
Duração: 1h 31min

 

Roda de Conversa com Adiel Luna (PE), grupo Três Marias (RS), Richard Serraria (RS) e Dona Nadir da Mussuca (SE)

Horário: 17h30

Local: Teatro Sesc Centro – Av. Alberto Bins, 665

 

Samba de Pareia da Mussuca (SE)

Horário: 19h

Local: Teatro Sesc Centro – Av. Alberto Bins, 665

Duração: 60 minutos

Classificação: Livre

Sinopse: O Samba de Pareia, segundo relatos, surgiu há mais de 300 anos entre os escravos que trabalhavam nos canaviais. Hoje, ele é dançado por mulheres, contando com a presença de homens apenas como tocadores que sustentam o ritmo com dois tambores médio-graves e uma porca (cuíca). Completa a instrumentação um ganzá, tocado por uma das mulheres, e, o principal elemento rítmico, a pisada dos tamancos das dançadeiras. O samba não se caracteriza como um folguedo, mas apresenta dança coreografada e trajes padronizados. As letras das músicas fazem alusão a situações do dia-a-dia, normalmente com muita irreverência.

O grupo é liderado por uma mestra, Dona Nadir, o que é raro nos grupos de tradição, onde as funções de liderança normalmente cabem aos homens, e conta também com a participação de Mangueira (Acrisio dos Santos), Carmélia dos Santos, Elenilde da Silva, Maria Edenia dos Santos, Maria Ednilde dos Santos, Cecé (Maria José dos Santos), Maria Lucia Santos, Maria Luiza dos Santos, Maria José dos Santos e Normália dos Santos. 

 

17 de agosto (Sexta-feira) 

Coco de Roda – Da Pisada Ao Verso

Adiel Luna (PE)

Horário: 12h

Local: Hall do Sesc Centro

 

Coco de Tebei (PE)

Horário: 19h

Local: Teatro Sesc Centro – Av. Alberto Bins, 665

Duração: 60 minutos

Classificação: Livre

Sinopse: Esse coco é praticado por um grupo de agricultores e tecelões da comunidade Olho D’Agua do Bruno, na cidade de Tacaratu, Pernambuco. As irmãs Maria Araújo, Maria Feitosa, Antônia Germana e Maria do Carmo contam que a prática do Coco de Tebei vem de gerações passadas, e com muito orgulho citam seus avós e bisavós como pessoas que ajudaram a cultivar essa tradição. Em suas memórias a dança do coco está associada à construção de casas de taipa, quando as famílias se reuniam em adjutório para “taipar” uma nova casa. O Coco de Tebei é cantado por mulheres e dançado por casais. Não utiliza instrumentos e a base rítmica é marcada pela pisada dos dançadores. A sonoridade que resulta do canto somado ao ritmo da pisada nos remete, de certa forma, a uma ritualística indígena, que se caracteriza pelo contraste de timbre entre o metal das vozes femininas e o som seco da pisada no chão, e pela ausência de nuances em cada um dos elementos.

O grupo é formado por pelas cantadeiras Maria do Carmo de Jesus, Nivalda Rosa Gomes do Nascimento e Maria Nazaré Nunes dos Santos e pelos dançadores José Lira dos Santos e Janaína Maria dos Santos, Edna Nivalda do Nascimento Silva e Agnaldo José da Silva, Genivaldo Lira dos Santos e Edilane dos Santos. 

 

18 de agosto (Sábado)

Oficina Na Pegada do Coco – vivenciando musicalidades do coco com o grupo Três Marias (RS)

Horário: das 10h às 13h

Local: Teatro Sesc Centro – Av. Alberto Bins, 665

Sinopse: Engajadas na manutenção e reinvenção de expressões tradicionais, as Três Marias percorrem uma caminhada de valorização e empoderamento das mulheres na música, no toque dos tambores e no protagonismo das brincadeiras e tradições populares. O grupo traz ao público a expressão de mulheres musicistas que, por diversos caminhos, encontram na música e nas artes da cultura popular a possibilidade de se fortalecer, se expressar, celebrar e ao mesmo tempo questionar conceitos e padrões culturais relacionados a diversas formas de opressão.

 

Oficina Coco de Roda

Adiel Luna (PE)

Horário: das 14 às 18h

Local: Teatro Sesc Centro – Av. Alberto Bins, 665

Sinopse: Na oficina Coco de Roda – Da Pisada Ao Verso que, na verdade, é uma extensão do seu trabalho de palco, Adiel convida o público a fazer uma imersão na geografia do coco – uma das manifestações mais tradicionais do Nordeste brasileiro e nas suas semelhanças e diferenças: coco de roda, coco pra são joão, coco mazurcado, coco de trupe.
Objetivo:
Conhecer, trabalhar e estimular a poética, dança e o baque do coco de roda, com ênfase no improviso, como ferramenta de composição.
Entender as semelhanças e as diferenças entre as variantes do coco nas diversas regiões do Nordeste: coco de trupe, coco de sala, coco de obrigação, coco mazurcado, coco de praia, coco de engenho, entre outros.

 

Espetáculo – Entre Toques e Cantigas

Três Marias (RS) e Adiel Luna (PE)

Horário: 19h

Local: Teatro Sesc Centro – Av. Alberto Bins, 665

Duração: 60 minutos

Classificação: Livre

Sinopse: O grupo Tres Marias são engajadas na manutenção e reinvenção de expressões tradicionais, percorrem uma caminhada de valorização e empoderamento das mulheres na música, no toque dos tambores e no protagonismo das brincadeiras e tradições populares, para este espetáculo com ênfase do Coco de Roda.
Músicos: Andressa Ferreira, Gutcha Ramil, Pamela Amaro, Thayan Martins e Tamiris Duarte.