Newsletter

Serviços registram segunda alta consecutiva na margem

13 de dezembro de 2019

Em outubro, no Brasil, conforme a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada pelo IBGE, o volume de serviços avançou 0,8% em relação ao mês anterior, na série com ajuste sazonal. Houve revisão da alta de 1,2% em setembro para 1,5%. Para o Rio Grande do Sul (RS) houve variação de 1,5% no período. A pesquisa investiga estabelecimentos que tenham, no mínimo, 20 pessoas ocupadas e que possuam a maior parcela de sua renda oriunda da atividade de serviços.

Frente a outubro de 2018, houve avanço de 2,7% no Brasil, enquanto no Rio Grande do Sul foi registrada baixa de 0,9%. Assim, o país acumulou no ano, até o mês de outubro, alta de 0,8%, enquanto o estado teve baixa de 1,9%. No acumulado em 12 meses, o volume de serviços prestados cresceu 0,8% no país, já no RS houve recuo de 2,0%.

Em termos desagregados, no resultado interanual, houve variação negativa em três das cinco atividades contempladas na pesquisa no RS. A maior queda foi verificada em Outros serviços (-6,4%), seguido pela retração em Serviços profissionais, administrativos e complementares (-5,1%); a variação em Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio foi muito pequena (-0,1%), ficando praticamente estável. Serviços prestados às famílias, por sua vez, registrou avanço de 5,1%, enquanto que Serviços de informação e comunicação avançaram 0,9%. No país, houve crescimento em todas atividades, com maior aumento nas atividades de Informação e Comunicação (5,1%) e Outros Serviços (4,2%).

A PMS conta também com um indicador calculado a partir de uma sub-amostra. Esse indicador (IATUR) busca avaliar o comportamento das atividades turísticas no país. Em outubro, o crescimento na margem foi de 4,2%, impulsionado fundamentalmente pelas empresas de locação de automóveis, hotéis e restaurantes. No ano e no acumulado em 12 meses, o indicador registra alta de 2,5%, indicando um melhor desempenho das atividades ligadas ao turismo em relação às demais atividades dos serviços.

Por fim, o resultado de outubro registra o segundo mês de crescimento na margem da série da PMS, após trajetórias oscilantes nos meses anteriores. Com o crescimento interanual, houve uma pequena aceleração no ritmo de recuperação em 12 meses; contudo, ainda fica abaixo do acumulado em julho deste ano (0,9%). Assim, espera-se que, mesmo devagar, os serviços fechem o primeiro ano com crescimento desde 2014, com um horizonte de recuperação ainda longo, tendo em vista que o atual patamar dos Serviços se encontra 9,7% abaixo do pico da série (novembro de 2014). Já para o Estado, os dados indicam que o setor ainda não encontrou o caminho para engatar uma trajetória de retomada.