Newsletter

Com os primeiros efeitos da pandemia, Serviços recuaram 6,9% em março

13 de maio de 2020

O IBGE divulgou os resultados de março da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS). Os dados da série com ajuste sazonal apontaram recuo de 6,9% no volume de serviços prestados no país ante fevereiro, enquanto que para o Rio Grande do Sul (RS) se verificou uma baixa de 11,0% – registrando o maior resultado negativo desde o início da série histórica (janeiro de 2011) para ambos os casos. Destaca-se que, em nível nacional, todas as cinco atividades investigadas apresentaram retração, especialmente nos serviços prestados às famílias (-31,2%) e em transportes e serviços auxiliares a transportes e correios (-9,0%). A pesquisa investiga estabelecimentos que tenham, no mínimo, 20 pessoas ocupadas e que possuam a maior parcela de sua renda oriunda da atividade de serviços.

Quando comparado ao mês de março de 2019, o Brasil teve queda de 2,7% no volume de serviços, ao passo que o Estado registrou baixa de 7,3%, conforme os dados da série sem o ajuste sazonal. Dessa forma, o acumulado do ano, em nível nacional, teve variação de -0,2%, enquanto no RS variou -4,6%. Nos 12 meses encerrados em março de 2020, frente ao mesmo período do ano anterior, houve aumento de 0,7% no país, e queda de 2,5% no RS.

No caso gaúcho, a queda de 7,3% na comparação interanual foi reflexo das baixas nas cinco atividades pesquisadas: Serviços prestados às famílias (-31,2%); Outros Serviços (-14,6%); Transportes e serviços auxiliares a transportes e correios        (-5,6%); Serviços profissionais, administrativos e complementares (-2,6%); e Serviços de informação e comunicação (-3,2%). No país, a baixa de 2,7% foi em virtude dos Serviços prestados às famílias (-33,4%) e de Serviços profissionais, administrativos e complementares (-3,3%).

Os dados da PMS mostram o forte impacto nos Serviços das medidas de distanciamento social para o combate ao COVID-19, que implicaram uma forte redução da circulação de pessoas nos últimos 10 dias de março, com a interrupção parcial ou total na prestação de muitos serviços, sobretudo estabelecimentos de alimentação e alojamento (que fazem parte dos serviços prestados às famílias). Além de restaurantes e hotéis, transporte aéreo de passageiros foi um dos serviços mais afetados, evidenciando o imediato impacto nas atividades relacionadas ao Turismo – como aponta a queda de 30% na margem do Índice de Atividades Turísticas. Com o resultado, os Serviços ficam 17,2% abaixo do pico da série (nov/14) e a perspectiva é de que a distância fique ainda maior em abril.