Newsletter

Máscaras caseiras: como driblar a crise e o vírus

13 de maio de 2020

Divulgação Senac-RS

Docente do Senac Santa Maria dá dicas para confeccionar máscaras em casa

Com o objetivo de ajudar no combate à disseminação do coronavírus, o uso das máscaras tem sido cada vez mais incentivado, principalmente as de confecção caseira. E atenção: é preciso redobrar a atenção na hora de utilizá-las e higienizá-las.

Segundo o Ministério da Saúde, este tipo de máscara é indicado em viroses com transmissão por gotículas de saliva, como é o caso do coronavírus. Para isso, a costureira e docente do curso de corte e costura do Senac Santa Maria, Ana Denardin traz algumas dicas de como fazer a sua própria máscara em casa.

Tecido para as máscaras

Na hora de escolher o tecido, é preciso optar por economia ou por conforto. Para confecção das máscaras o percal é o mais confortável, seguido do tricoline 100% algodão e pelo algodão cru. Porém, na hora de pagar, isso se inverte, já que o percal é o mais caro deles. Todos esses tecidos são encontrados com facilidade no comércio local. “O percal é um tecido mais resistente e que conta com um toque suave. O tricoline é menos grosso, mas também conta com uma suavidade boa para máscara. Já o algodão cru dá uma certa coceira no nariz, o que pode irritar quem usa”, afirma a docente. É importante relembrar que a máscara deve ter pelo menos duas camadas de pano, como solicita o Ministério da Saúde.

Como na maioria dos momentos durante essa pandemia, é preciso se adaptar na hora de confeccionar as máscaras. Se, por exemplo, faltar elástico, a docente explica que é possível driblar esse problema. “Quando não se tem elástico, você pode fazer tiras do próprio tecido, usando tanto para amarrar na nuca ou também como elástico para colocar na orelha, tiras e velcros são boas opções também”, completa.

Higienização

Mas não basta ter a máscara, os cuidados com o uso e higienização são fundamentais. Elas são de uso pessoal, não devem ser compartilhadas mesmo para pessoas da mesma família. Devem ser trocadas a cada duas horas ou quando sujas e, depois de ajustadas, não devem mais ser tocadas para evitar infecções. E, por fim, antes de tirá-las, lave as mãos com água e sabão.