Newsletter

Setor de Serviços em sérias dificuldades para reagir aos impactos da pandemia

13 de julho de 2020

O IBGE divulgou os resultados de maio da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS). Os dados da série com ajuste sazonal apontaram recuo de 0,9% no volume de serviços prestados no país ante abril, enquanto que para o Rio Grande do Sul (RS) se verificou um aumento de 5,2%. A pesquisa investiga estabelecimentos que tenham, no mínimo, 20 pessoas ocupadas e que possuam a maior parcela de sua renda oriunda da atividade de serviços.

Quando comparado ao mês de maio de 2019, o Brasil teve queda de 19,4% no volume de serviços, ao passo que o Estado registrou baixa de 24,0%, conforme os dados da série sem o ajuste sazonal. Dessa forma, o acumulado do ano, em nível nacional, teve variação de -7,6%, enquanto no RS variou -13,7%. Nos 12 meses encerrados em maio de 2020, frente ao mesmo período do ano anterior, houve recuo de 2,7% no país, e queda de 7,1% no RS.

No caso gaúcho, a queda de 24,0% na comparação interanual foi reflexo das baixas nas cinco atividades pesquisadas: Serviços prestados às famílias (-58,7%); Outros Serviços (-21,3%); Transportes e serviços auxiliares a transportes e correios (-27,2%); Serviços profissionais, administrativos e complementares (-28,4%); e Serviços de informação e comunicação (-8,7%). No país, a baixa de 19,4% também foi influenciada pelas 5 categorias. Destaque para os Serviços prestados às famílias (-61,5%), Serviços profissionais, administrativos e complementares (-21,7%) e Transportes e serviços auxiliares a transportes e correios (-20,8%).

Os dados de maio evidenciam o quão impactante tem sido a crise decorrente do coronavírus para o setor. Tanto a nível nacional quanto no Estado a operação se dá em níveis muito baixos, tendo atingindo o pior nível desde o início da série histórica (iniciada em janeiro de 2011) no caso nacional e o segundo menor valor para o índice no RS, que teve no mês anterior o pior resultado. Além da flexibilização das medidas de distanciamento social e também da recuperação do mercado de trabalho, a retomada do setor está condicionada ao sentimento de segurança para as pessoas voltarem a demandar certos serviços, de forma que no curto prazo não se pode visualizar uma retomada consistente da atividade do setor.