Geral

Artigo: O comércio quer trabalhar

30 de julho de 2020

Por Luiz Carlos Bohn, presidente da Fecomércio-RS

Quais são os ensinamentos que a pandemia tem deixado para você? Além das questões pessoais, o que você acredita que o mundo tem aprendido neste ano tão extraordinário? Para nós, pessoas que têm seus negócios na área do comércio de bens, serviços e turismo, o principal aprendizado é que esses estabelecimentos são essenciais para todos, e que estamos unidos em benefício da vida. Sim, pois famílias sem renda e sem condições básicas para sobrevivência também adoecem. E não, não estou valorizando CNPJs em contrapartida aos CPFs como muito foi dito. E afirmo isso, pois esta dicotomia nunca existiu, jamais poderia ter sido colocada em questão. É fato: os negócios não podem ser acusados pela disseminação da covid-19, e fechar o comércio não é a solução. Desde o início fizemos nossa parte com responsabilidade e cuidado com a saúde de todos, por isso, lançamos a campanha O comércio quer trabalhar.

Quando tudo começou nada se sabia sobre o novo vírus. Todas as decisões das autoridades foram baseadas nos exemplos de outros países e em como lidaram com a pandemia que chegou antes por lá. Países da Europa e Ásia, com realidades muito diferentes da nossa, tanto social quanto economicamente, vale dizer. Fiquem em casa! Fechem o comércio! E assim foi feito. Ficamos atônitos, mas também entendemos que, naquele momento de tantas incertezas e desconhecimento, era a medida mais acertada para salvar vidas. Porém, atualmente, temos mais informações, evoluímos e esse momento passou.

Como todos, lá no mês de março, começamos a sentir os impactos da pandemia, mas, mesmo assim, não ficamos paralisados. Fomos em busca de soluções porque é isso que está em nosso DNA, na missão das empresas que atuam no setor de comércio e serviços: trabalhar para dar soluções para as pessoas e para facilitar a vida da comunidade. Mesmo com as portas fechadas nos colocamos à disposição dos governos para colaborar com ideias, ir atrás de boas experiências de outros setores da economia que já praticavam as boas práticas sanitárias, elaboramos protocolos com medidas rígidas e criamos, portanto, ambientes seguros e controlados para recebermos as pessoas em nossas lojas. De todo aprendizado que esta pandemia tem nos deixado, acreditamos que o comércio não é, definitivamente, o responsável pela transmissão do coronavírus.

Para defender essa certeza e a retomada permanente do comércio estamos em plena campanha por todo Rio Grande do Sul. A Fecomércio-RS sabe que fechar as atividades econômicas não é a solução e que já foram destruídos mais de 120 mil empregos formais. E novas demissões virão, pois muitas empresas estão deixando de existir. E lembremos: são empresas que empregam. Reforço: não estamos em lados opostos. A vida está acima de tudo. Somos responsáveis e muito estamos fazendo para reabrirmos nossos negócios de forma responsável e segura para todos. O comércio quer trabalhar.

**Artigo publicado nesta quinta-feira, dia 30 de julho, nos jornais Plateia (Livramento), Folha do Sul (Bagé) e Diário de Santa Maria.