Newsletter

Intenção de Consumo das Famílias gaúchas tem melhor resultado desde julho do ano passado

26 de julho de 2021

O resultado marcou a terceira alta mensal consecutiva do índice, porém, aos 68,7 pontos fica ainda 30,8% inferior ao patamar pré-pandemia

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF-RS) no mês de julho reforça a continuidade do processo de recuperação da confiança para consumir das famílias iniciado em maio deste ano. Divulgada pela Fecomércio-RS nesta segunda-feira, dia 26, o ICF aumentou 8,4% na comparação mensal (68,7 pontos), com avanço em todos seus componentes. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o resultado foi 1,4% inferior. Quando comparado ao patamar pré-crise, no entanto, o ICF fica ainda 30,8% abaixo do nível de março de 2020 (última pesquisa sem a influência da pandemia).

Os subíndices de mercado de trabalho tiveram nova melhora, em um contexto de bons resultados do mercado formal e suporte do auxílio emergencial às famílias de renda mais baixa. Ambos os componentes, no entanto, seguem em patamar pessimista (abaixo dos 100 pontos). O subíndice de Situação Atual do Emprego marcou 82,4 pontos, estando ainda 27,8% abaixo do patamar pré-pandemia. Já a situação da Renda Atual registrou 94,6 pontos e está apenas 7,9% abaixo do patamar pré-pandemia.

Os componentes de consumo, através dos subíndices de Nível de Consumo Atual (53,7 pontos) e de Momento para o Consumo de Duráveis (51,3 pontos) também seguiram em recuperação, mas seus baixos patamares evidenciam que há ainda um caminho longo a percorrer na retomada do consumo. Se por um lado, a maior flexibilização das medidas restritivas tende a ser um impulso para o consumo, a cautela é elevada e o aumento inflacionário tem sido um contrapeso, especialmente para as famílias de menor renda. 

No que diz respeito às expetativas das famílias, tanto a Perspectiva Profissional (51,4 pontos) quanto a Perspectiva de Consumo (47,1 pontos) seguem em ritmo de melhora. Porém, assim como acontece com o Nível de Consumo Atual, seus patamares seguem muito deprimidos e ainda abaixo do que foi registrado em julho de 2020, indicando uma avaliação que, embora em reação, está mais cautelosa nesses aspectos que nos primeiros meses da pandemia.

“As cicatrizes e os desafios são grandes e os resultados positivos do ICF nos mostram uma reação consistente da confiança das famílias, que estão a cada mês menos pessimistas, mas, ainda cautelosas. O caminho é longo, mas esperamos a continuidade dessa retomada nos próximos meses à medida que a imunização avança e, com a pandemia sob controle, a reabertura possa gradualmente ganhar força”, disse o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.

Veja aqui a análise completa.