Newsletter

ICF-RS encerra o ano em baixa

10 de janeiro de 2022

Divulgação Fecomércio-RS

Edição de dezembro trouxe o recuo da intenção de consumo das famílias, resultado da retração na margem da maioria dos sub-indicadores

A edição de dezembro de 21 da Intenção de Consumo das Famílias gaúchas (ICF-RS) evidenciou uma interrupção da retomada da intenção de consumo das famílias. Divulgada pela Fecomércio-RS em 10 de janeiro, a pesquisa da CNC teve recuo de 3,8% na margem, alcançando 75,1 pontos, o primeiro recuo desde maio de 2021. Com isso, o ICF encerra o ano 24,3% abaixo do patamar pré-crise.

Dos sub-índices que compõem o ICF, apenas o de Emprego Atual não apresentou recuo na margem. Contudo, a leva alta de 0,2% revela praticamente uma estabilidade desse aspecto, que veio acompanhado do aumento no percentual de famílias que se disseram mais inseguras quanto ao emprego atual. A renda atual caiu 4,1% no comparativo com novembro de 2021 e registrou 89,3 pontos. Essa foi a quarta queda mensal consecutiva para o sub-índice que encerra o ano 13,1% abaixo do patamar pré-crise.

O sub-índice que mede o nível de consumo atual apresentou o primeiro recuo desde maio de 2021. A variação de -3,7% na comparação com novembro de 2020 trouxe o sub-índice para o nível de 70,6 pontos (-20,6%) em relação ao pré-pandemia. Os sub-índices de acesso a crédito e momento para o consumo de bens duráveis voltaram a intensificar as perdas. O primeiro recuou 5,2% na comparação com o mês anterior e atingiu os 87,4 pontos (11,3% abaixo do pré-crise), e o segundo recuou 12,2% aos 52,6 pontos (-37,0% abaixo do pré-pandemia).

A perspectiva profissional ficou praticamente estável (-0,6% em relação à novembro de 2021) e aos 72,4 pontos ficou 33,6% abaixo do pré-crise. Já a perspectiva de consumo atingiu o nível de 61,4 pontos com recuo marginal de 3,2% .

 “O índice de Intenção de Consumo das Famílias é um importante indicador antecedente do consumo. Os dados de dezembro mostram que a inflação e o aumento dos juros têm impactado as famílias,  provocando um comportamento mais cauteloso. Isso é uma importante informação para os empresários no momento de compor estoques e planejar o ano de 2022 ” , comentou Luiz Carlos Bohn, presidente do sistema Fecomércio-RS. Confira a análise completa aqui.