Newsletter

CNC recebe Lula e Geraldo Alckmin para entrega da Agenda Institucional do Sistema Comércio

12 de julho de 2022

Evento aconteceu no Centro Empresarial CNC, em Brasília

Dando continuação à entrega da Agenda Institucional do Sistema Comércio para os pré-candidatos à Presidência da República, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) recebeu na tarde desta terça-feira, dia 12 de julho, o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, e o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. O presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, o gerente de Relações Governamentais, Lucas Schifino, e a assessora da presidência, Lauren Fernandes, também estiveram no evento de entrega.

Os candidatos apresentaram suas visões sobre as propostas e recomendações de políticas públicas para o desenvolvimento do setor terciário do País. No primeiro encontro da Agenda Institucional, realizado no mês passado, estiveram presentes o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, e a senadora Simone Tebet, que falaram para os diretores da CNC, presidentes das Federações do Comércio (Fecomércios), Federações Nacionais, Sesc, Senac, líderes sindicais e empresariais.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, explicou que a criação da Agenda Institucional foi motivada pela necessidade de relacionar os temas de interesse do comércio de bens, serviços e turismo, do Sesc e do Senac, em conformidade com o que é monitorado pela CNC no âmbito dos Poderes Executivo e Legislativo.

O documento

A Agenda Institucional do Sistema Comércio indica pautas prioritárias aos setores do comércio de bens, serviços e turismo, norteando as ações nos Poderes, e funcionará como uma ferramenta permanente e colaborativa. A iniciativa é liderada pela CNC, representante máxima dos setores no Brasil, que agrupa mais de mil sindicatos de diversos segmentos, representando cerca de cinco milhões de empresas que geram 25 milhões de empregos diretos e formais no País.

No documento, são apresentadas propostas e recomendações de políticas públicas que o setor terciário entende serem fundamentais para a economia do País, divididas em macrotemas, tais como: legislações empresarial, tributária, trabalhista, do consumidor e sindical; normatização comercial, acesso ao crédito, infraestrutura, poder público e micro e pequenas empresas (MPEs).

Discussão permeou temas como comércio, serviços e turismo, além de Sesc e Senac